Angola abre as portas para músicos moçambicanos

Após  anos de críticas e lamentações, os músicos moçambicanos começam a ser convidados com alguma regularidade para actuarem em  Angola. Nas redes sociais, nomeadamente no Facebook e no Instagram, partilham-se alguns cartazes angolanos que  incluem concertos de músicos moçambicanos desde o rap ao pandza ou Kizomba na terra do semba. No corrente ano,  os rappers Duas Caras e Azagaia foram os primeiros a efectuarem visitas artísticas a Angola, tendo o autor do sucesso “mentiras da verdade” actuado no espectáculo do amigo MCK,  realizado no início deste mês, e o co-autor do “país da marrabenta” promovido o seu single “Duditos way”.

Azagaia também serviu-se da sua passagem por terras governadas por João Lourenço para vender a segunda edição do álbum Babalaze, que em 2017 completou 10 anos.

Do rap para Kizomba. Gabriela também esteve em Angola a promover o seu novo trabalho produzido pelo angolano Caló Pascoal tendo merecido elogios dos apresentadores e comentadores do programa “Zap News”. Recentemente, soube-se que Júlia Duarte  é uma das convidadas para actuar no concerto que marcará o regresso de Heavy C aos palcos. O concerto a acontecer no dia 19 de Maio, no Cine Atlântico em Luanda, vai também contar com a participação dos angolanos Eduardo Paim, Yuri da Cunha, Walter Ananais, e Patrícia Faria.

A actuação de Júlia Duarte em Luanda irá suceder a de Mimae que actuou no espectáculo da amiga Edmázia.

A lista de músicos moçambicanos com espectáculos em  Angola deverá crescer após a participação dos músicos Ziqo, Humerto Luis e Euridse Jeque no espectáculo de comemoração do primeiro aniversário da Clé Entreteniment, agendado para 2 de Junho.

 

Polémicas 

Este momento de viragem é também marcado por algumas polémicas, caso da que se seguiu após Duas Caras ter ido a um programa televisivo local com um boné que ostenta o nome de Luanda.

O fomentador da polémica, o apresentador Fred Jossias, também esteve no centro de promoção de uma outra envolvendo a cantora Yola Semedo, acusada de plágio na música “Final” devido a semelhanças com “Falso” de Euridse Jeque, lançada em 2014.  Em resposta, Yola acusou o apresentador moçambicano de perseguição a músicos angolanos.

Uma campanha de boicote aos  shows de músicos angolanos em Moçambique liderada por Fred Jossias também foi tema de debate  no “Polémica”, programa angolano transmitido às quarta-feiras na Palanca TV, no qual as comentadoras criticaram o apresentador moçambicano Fred Jossias por ter instado os telespectadores do seu programa televisivo “Batidas” a boicotarem o concerto de Preto Show. No programa apresentado por Bruno Fernandes, as comentadoras residentes lembraram o passado de Fred Jossias em polémicas destacando a sua expulsão da TV Miramar  após consentir que  o rapper Azagaia fumasse canábis em pleno programa “Atracções”. Roberta Pitanga, uma das comentadoras, disse que o sucesso na bilheteira do show de Preto Show em Moçambique foi uma resposta do povo moçambicano a um apresentador “que não teve a devida educação para saber se comportar em sociedade”.

Aliás, as declarações de Fred Jossias foram também analisadas em outro programa do mesmo canal televisivo, “Sala de Estar” e em teaser o seu apresentador afirma que o moçambicano ao maltratar barbaramente os artistas angolanos pretende apenas por estes contra os seus homólogos moçambicanos.

 

 

 

 

JOIN THE DISCUSSION

one + fourteen =