Hoje há sarau cultural na Escola de Jornalismo

A Escola de Jornalismo (EJ) acolhe hoje um sarau, que junta música, poesia, teatro, feitos pelos seus estudantes, no âmbito das celebrações dos 40 da criação da instituição.

Trata-se de um evento, que congrega a comunidade estudantil, os professores e a direcção, num ambiente descontraído e lúdico, onde as artes e a cultura são o elo de ligação.

As celebrações, de acordo com Américo Xavier, director da Escola de Jornalismo, são “uma espécie de homenagem, que a comunidade estudantil e os professores fazem aos comunicadores deste país, que passaram pela instituição”.

Desde Abril que esta instituição de ensino médio vem realizando palestras e mesas redondas, cujos convidados tem sido antigos jornalistas, bem como alguns em exercício, assim como pesquisadores e especialistas na área da comunicação social moçambicana.

Neste quadro, no semestre passado, a EJ recebeu Edmundo Galiza Matos, Tomás Vieira Mário, Glória Muianga, Mota Lopes, (primeiro director da instituição), Anabela Adrianopolis, Eduardo Constatino.

“Quisemos trazer alguns dos construtores deste edifício, que é a comunicação social moçambicana, que pudessem contextualizar os estudantes, a partir das suas experiências, sobre o estado em que ela se encontra”, esclareceu Américo Xavier.

De acordo com o director da escola, que é a mais antiga instituição de formação de jornalistas e comunicadores do país, criada depois da primeira Conferencia de Informação em 1977, orientada pelo saudoso presidente Samora Machel, as comemorações dos 40 anos culminarão com as cerimónias de graduação a realizar-se em Dezembro próximo.

 

 

 

Texto:Notícias 

JOIN THE DISCUSSION

1 × 3 =